Destruir terreiros de religiões de matriz africana é a nova “guerra santa” no Brasil

Destruir terreiros de religiões de matriz africana é a nova “guerra santa” no Brasil Mãe Merinha foi bem rápida, amarrou um pano branco na roupa e colocou algunscolares fios-de-conta coloridos no pescoço. ‘‘O mais triste disso tudo é saber que eles não param’’, disse, enquanto prendia um tecido também branco na cabeça. Estava pronta, com sua vestimenta de mãe-de-santo. Sinalizou que poderia começar a entrevista e se apresentou: ‘‘Sou Mãe Merinha de Oxum, fui iniciada no Candomblé há 36 anos, sou filha de Mima de Oxossi, do Ilê Axé Obá Ketu’’. Há um…

Compartilhe isso
Read More

Terreiro de candomblé é atacado pela segunda vez em quatro meses

Terreiro de candomblé é atacado pela segunda vez em quatro meses O terreiro de candomblé Ase Olode Ala Orum, em Madureira, foi o mais recente alvo de ataque motivado por intolerância religiosa. Na madrugada deste sábado, o local teve as telhas de seu muro arrancadas e dois porrões de barro, que ficavam acima do portão, totalmente destruídos. O pai de santo Paulo César de Albuquerque, responsável pelo templo, diz que não tem informações sobre os autores da ação. — Acordei e vi o estrago feito. Agora estou pensando no que…

Compartilhe isso
Read More

Denúncias de ataques a religiões de matriz africana sobem 47% no país

Denúncias de ataques a religiões de matriz africana sobem 47% no país RIO — Armados, seis homens acabam com uma cerimônia de saudação a Oxalá em Camaçari (BA). Enquanto roubam as vítimas, agridem verbalmente os presentes, adeptos do candomblé, associando a religião a demônios. O babalorixá Rychelmy Esutobi, líder do local, é espancado. O caso, ocorrido no dia 13 de janeiro, é um exemplo da violência sofrida por líderes religiosos ligados a matrizes africanas no Brasil, como o candomblé e a umbanda. — É um momento de muita dor e…

Compartilhe isso
Read More

Traficantes dão ordem para fechar terreiros na Baixada Fluminense

Traficantes dão ordem para fechar terreiros na Baixada Fluminense Os casos de intolerância religiosa têm aumentado no Rio de Janeiro e traficantes estão impedindo terreiros de umbanda e candomblé de funcionar. O último caso aconteceu na semana passada em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, quando um criminoso ordenou o fechamento de vários terreiros. Relatos de testemunhas à polícia mostram que houve uma ação coordenada pra fechar terreiros na região, especialmente no Jardim Gramacho e arredores. Investigadores dizem que a Baixada concentra boa parte das ameaças registradas esse ano. “Ningúem é…

Compartilhe isso
Read More